A dor de sorrir

2016-11-23 12.14.29 1.jpg
Fotografia @saragtrigo

Pegar no momento e guardá-lo não necessariamente para sempre, mas, pelo menos, até cansar. Até não ser mais do que uma ténue sensação daquilo que foi, do que aconteceu, do que extrapolou através dos poros de uma pele coberta por roupas de inverno.

Não o moldar, não o pintar, não o proteger com vidro ou plástico. Guardá-lo, simplesmente. Pousá-lo em cima da lareira, no parapeito da janela exposta à rua, na mesinha de cabeceira vagamente iluminada, e contemplá-lo todos os dias até que a saudade dê lugar à habituação, a um encolher de ombros indiferente de dias mais felizes, de outros momentos igualmente marcantes que substituam aquele já gasto, em tempos tão inebriante.

Olhá-lo, memorizá-lo, reconhecer-lhe cada pequeno traço, cada som. Saber de cor a música que tocava, reproduzir sem apoio todas as tonalidades exteriores e interiores, sentir-lhe a amargura e a doçura. Agarrá-lo até doer e deixá-lo, por fim, escapar. Vê-lo, ao longe, a perder-se nas cinzas do passado e ser capaz de não correr atrás dele, de não o chorar, de não lhe sentir a perda dolorosa.

Deixar os dias passar, saborear-lhes o vagar, atrasar-lhes a pressa, porque o que veio e o que chegou em breve será mais um chão pisado na estrada imensa de uma vida.

Conseguir, por entre lágrimas, sorrir. Rir, se possível. Cantar baixo, alto, gritar o que sair. Estender uma mão para trás, outra para a frente, mas deixar os pés presos no agora que sustenta cada segundo batido para lá do vidro do relógio de pêndulo e os olhos saltitantes para nada perderem das horas irrequietas.

Preservar o sorriso de criança inocente – feliz com a simplicidade -, maturado pela aprendizagem da dureza e das conquistas. Um sorriso de dentes tratados, preservado no mundo, crescido ao seu próprio ritmo. Mantê-lo com o orgulho nunca ferido, porque o único sorriso no meio de lágrimas não está numa posição de submissão nem de vergonha, mas assume o papel do poderoso, capaz de vislumbrar para lá da névoa e de se manter irredutível quando o mais fácil é esconder-se, adotar a outra face e juntar-se à multidão. Um sorriso de contágio que mal só faz a quem o desdiz, a quem o vê sem conseguir reconstituí-lo.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s